Pesquisar Search

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Professores na Rede -cada vez mais, proactivamente

Imagem daqui
Conta-nos Susana Gutierrez (Brasil), no seu blog gutierrez/su (21.12.2009)

Diferentemente do simples acesso, quando o professor ‘entra’ na internet, navega um pouquinho, ‘abre’ os emails e ’sai’, o que temos agora é uma permanência, que se evidencia nos blogues, no pipocar de mensagens no twitter, no diálogo permanente das listas de discussão. Em especial os blogues caracterizam bem esta fase do professorado na rede. pois proporcionam uma presença on-line dinâmica, histórica, que facilita a constituição de redes de relações sociais. O blogue acolhe uma rede pessoal de aplicativos, recursos, interesses do professor e facilita o contato com seus pares e os demais fluxos comunicativos.

Quando se fala em ambientes personalizados de aprendizagem (PLE) eu sempre vejo alguém pilotando o seu blog e estacionando em algum drivre-through de aprendizagem. Rede distribuída, aberta, altamente dinâmica. No meu entender, parte do futuro da aprendizagem on-line que supera os ambientes mais rígidos e controlados. Infelizmente, ainda sem muito espaço formal.

Teachers in the web - each day more and more, proactive mode.

domingo, 20 de dezembro de 2009

E-Book RBE, criação espontânea, edição Issuu



Saboroso texto de Sílvio Maltez, Professor Bibliotecário do País Real e Autor Brilhante da Terra do Faz de Conta.
A encher de humor e cor o Natal RBE.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Melhor Escola, Menor Esmola

Para concluir, acreditamos que as ambiciosas reformas educativas em curso em Portugal são profundamente necessárias. Em particular, o Plano Nacional de Leitura deve, progressivamente, aumentar tanto a procura social de leitura como a utilização de competências de literacia no mercado de trabalho.
Sem um plano desse tipo, Portugal terá grandes problemas em manter a sua competitividade nos mercados europeu e mundial e terá cada vez mais dificuldades em atrair investimento directo estrangeiro. Se a nossa análise estiver correcta, se Portugal não obtiver um aumento rápido e substantivo no nível de literacia funcional de toda a sua população, o país terá dificuldades em realizar os seus objectivos económicos e sociais, e só transferências maciças da União Europeia evitarão um declínio relativo do seu nível de vida.

Itaki Calvino among oursouls = Calvino entre nós-imos

Ir aonde a gente passa para perturbar os dias e fazer pensar. Que tem isto a ver com ler e bibliotecas, literacia de informação e nós? Ora, vocês descobrem!

Se numa noite de Inverno um viajante: o livro de Calvino é o ponto de partida deste projecto multidisciplinar, que parou na estação Coimbra B. Viajante é uma experiência colectiva, proposta aos sentidos do espectador. Esta viagem é feita de sons e desenhos, vídeo, instalação, fotografia, pintura e escultura.

Simplesmente maravilhante. Obrigada Luís Januário, do blog htpp://anaturezadomal.blogspot.com, obrigada Vasco Paiva e ESEC

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Se o clima fosse um banco, teria sido salvo!


Se Seattle foi o movimento dos movimentos que «acabaram de emergir», então talvez Copenhaga seja uma celebração do nosso amadurecimento." [afirma John Jordan]
Contudo, ele adverte que crescer não significa jogar pelo seguro, evitando a desobediência civil a favor de reuniões calmas. "Espero que tenhamos crescido para nos tornarmos muito mais desobedientes," disse Jordan "porque a vida neste nosso mundo pode acabar devido a demasiados actos de obediência."

John Jordan
citado por
Naomi Klein, aqui (trad. port. de Ana da Palma, adapt.), em texto publicado no The Nation (30.11.2009)

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Entra e sair da crise pela porta da Educação



Não é só o nosso sistema económico que precisa de "reboote and upgrade", a chave está em fazer o mesmo aos sistemas educativos públicos. Precisamos não só de mais gente com mais nescolaridade, como de mais jovens e crianças com a educação CERTA!
Não basta melhorar os bancos, é essencial melhorar e consertar as escolas.

A Washington lawyer friend recently told me about layoffs at his firm. I asked him who was getting axed. He said it was interesting: lawyers who were used to just showing up and having work handed to them were the first to go because with the bursting of the credit bubble, that flow of work just isn’t there. But those who have the ability to imagine new services, new opportunities and new ways to recruit work were being retained. They are the new untouchables.

That is the key to understanding our full education challenge today. Those who are waiting for this recession to end so someone can again hand them work could have a long wait. Those with the imagination to make themselves untouchables — to invent smarter ways to do old jobs, energy-saving ways to provide new services, new ways to attract old customers or new ways to combine existing technologies — will thrive. Therefore, we not only need a higher percentage of our kids graduating from high school and college — more education — but we need more of them with the right education.

(...)

As Daniel Pink, the author of “A Whole New Mind,” puts it: In a world in which more and more average work can be done by a computer, robot or talented foreigner faster, cheaper “and just as well,” vanilla doesn’t cut it anymore. It’s all about what chocolate sauce, whipped cream and cherry you can put on top. So our schools have a doubly hard task now — not just improving reading, writing and arithmetic but entrepreneurship, innovation and creativity.

The new untouchables, interessante artigo de Thomas Friedma
New York Times (2009.10.20)

domingo, 18 de outubro de 2009

Literacia /Media, Copyright e Fair Use (2009)

Esta apresentação de 3 colegas norteamericanos faz pensar melhor em termos como direitos de autor, copyright, fair use, creative commons e literacia da informação, educação e media...
O Media Education Lab também merece uma visitinha - fica na Universidade de Temple (filadélfia, EUA), na sua Escola de Comunicações e Teatro!

Patente em SlideShare:

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Nem tudo se resume a numeracia e literacia


A lot of people find themselves being creative despite their social standing.

You are the kid who is smart, so all your mates listen to your counsel.
You are the kid who is funny, so they look to you for a laugh.
You are the great dancer at the local disco.
You are the one who is good at building stuff.
You are the one who is been practising the guitar in your bedroom since you were nine.
You are the one who is good at problem solving.

I think it is a teacher’s job to spot these kids and give them a nudge in the right direction. Encourage the smart one to get smarter; encourage the funny one to read books, look at the history of comedy, organise his thoughts, write stuff down; encourage the dancer to practice, look at videos, see shows, etc.
I know there are some schools that do this, but there are a lot that don’t.

It is not just about numeracy and literacy… It’s about vigilance, kindness, empathy and creativity.

Lenny Henry(actor/comediante)

in All Our Futures: Creativity, Culture and Education / Ken Robinson et al. (1999) http://www.cypni.org.uk/downloads/alloutfutures.pdf

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Universidades portuguesas valorizadas em estudo internacional


New European strong performers are Norway, Spain and Portugal, mostly due to an impressive increase of their Open Access repositories. But France is still suffering of the large fragmentation of their higher education system
Colleges and Universities and Open Access Initiativesgrey pixel
grey pixel
invisible image
New July edition of the Webometrics Ranking


Parabéns
pessoal daUniversidade do Minho (e do seu Repositorium) - nº 100 no Top Europa,
e da B-on, e da Universidade de Aveiro, e por aí fora.

Obras públicas não são só as feitas de betão.

A lista das 114 entidades universitárias portuguesas incluídas neste ranking (centenas de países, milhares de instituições envolvidas) está aqui
Mais aqui

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Será que a rainha da branca de neve está no facebook?

A tecnologia fornece-nos espelhos, não transforma a realidade.
Her research also seems to support Ms. boyd’s contention that social media “mirrors and magnifies” our social divisions, rather than removes them. “We can use technology as a tool to connect with people, but we can’t assume that it will eliminate all of the serious issues we have to face in this country,” Ms. boyd said at PDF. “Pervasive social stratification is being reified in a new era. If we don’t address this head-on, inequality will develop deeper roots that will further cement divisions in our lives.
Does Social Networking Breed Social Division? - Gadgetwise Blog - NYTimes.com
Fonte: gadgetwise.blogs.nytimes.com
Studies suggest that users of Facebook and MySpace are breaking down along class and racial lines.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Fazer contas de economista ao Open Access

Open Access—What Are the Economic Benefits? A Comparison of the United Kingdom, Netherlands and Denmark

"[...] Analysis focuses on comparing three alternative models for scholarly publishing, namely: subscription publishing, open access publishing and self-archiving. To ensure that meaningful comparisons could be made, the self-archiving models explored include the peer review, certification and quality control functions necessary for formal scholarly publishing.
We estimate that in an open access world:
• Open access or ‘author-pays’ publishing for journal articles (i.e. ‘Gold OA’) might bring net system savings of around EUR 70 million per annum nationally in Denmark, EUR 133 million in the Netherlands and EUR 480 million in the UK (at 2007 prices and levels of publishing activity);
• Open access self-archiving without subscription cancellations (i.e. ‘Green OA’) might save around EUR 30 million per annum nationally for Denmark in a worldwide ‘Green OA’ system, EUR 50 million in the Netherlands and EUR 125 million in the UK; and
• The open access self-archiving with overlay services model explored is necessarily more speculative, but a repositories and overlay services model may well produce similar cost savings to open access publishing.
The cost-benefits of the open access or ‘author-pays’ publishing model are very similar across the three countries. In terms of estimated cost-benefits over a transitional period of 20 years, open access publishing all articles produced in universities in 2007 would have produced benefits of around 2 to 3 times the costs in all cases, but showed benefits of 5 to 6 times costs in the simulated alternative ‘steady state’ model for unilateral national open access, and benefits of around 7 times the costs in an open access world. [...]"
(source: Knowledge Exchange, 23/06/09 / via DigitalKoans, 01/07/09)

domingo, 28 de junho de 2009

RBE no olhar do Norte


QUE VIVA A BIBLIOTECA ESCOLAR!
FINALMENTE... “nasceram” [institucionalmente] as bibliotecas escolares! A mãe é a PORTARIA há dias conhecida [V. aqui] que institui a Biblioteca Escolar como o centro nevrálgico da aprendizagem e da escola.
Parabéns ao Ministério da Educação que, só ao fim de treze anos, teve a literacia suficiente para assumir a necessidade daquilo que os Professores bibliotecários têm defendido apaixonadamente ao longo desses anos, com empenho e dedicação muitas vezes incompreendidos.
Apesar de ser um passo decisivo na caminhada para um melhor ensino-aprendizagem, poderão, no futuro, ser problemáticos os efeitos da execução desta portaria, se não forem acautelados alguns aspectos que ficaram esquecidos. Entre estes aspectos salientamos a ainda nula referência aos Auxiliares de Acção Educativa, dado o seu papel essencial na constituição das equipas para o funcionamento, manutenção e estabilidade dos serviços da Biblioteca Escolar.
Podemos, mesmo assim, comemorar os 13 anos da RBE com esta primeira e boa notícia:
Nasceu a Biblioteca Escolar!... Que viva a Biblioteca Escolar!
Daqui, 2009.06.27

Loulé 2009, bibliotecas escolares

GRANDE DIA ..

GRANDE DIA PARA A COMUNIDADE DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES PORTUGUESAS!

As instalações da FIL no Parque das Nações, em Lisbs, receberam no dia 26 de Junho o Forum RBE, da RBE Rede de Bibliotecas Escolares, hoje com mais de 2000 bibliotecas escolares, e que começou há 13 anos em 1996, coordenada desde o seu início por Maria Teresa Calçada, que abriu o Forum com uma intervenção estimulante.
Um espaço amplo, no interior de um dos edifícios emblemáticos da EXPO'98, belamente decorado com imagens impressas em grandes dimensões, e imagens e sons (3 écrans gigantes), de e sobre as bibliotecas escolares portuguesas, acolheu cerca de 1500 participantes, incluindo professores bibliotecários, bibliotecários de leitura pública, directores de escolas, e outros elementos das equipas responsáveis pelas bibliotecas, revelando grande interesse nas comunicações e um sentimento de alegria.
A alegria dos participantes, embora discreta à boa maneira portuguesa, percebia-se nos rostos, e era bem compreensível, pois na semana passada o Ministério criara lugares em todas as escolas para professores bibliotecários (um ou mais profissionais por cada escola ou agrupamento de escolas, estimando-se em cerca de 1500 lugares, em todo o país - com excepção da Madeira e dos Açores, onde os Governos Regionais legislam com autonomia), reconhecendo o valor das equipas das bibliotecas escolares, e criando ainda 70 lugares para Coordenadores Intermunicipais da Rede de Bibliotecas Escolares (professores bibliotecários especialistas, que trabalham com as escolas e outras parcerias locais RBE, em especial com as Bibliotecas Municipais e de Leitura Pública). Os professores colocados nestas vagas deverão iniciar funções nos novos lugares já a partir de Setembro de 2009, por um período de 4 anos, renovável.
É de sublinhar a presença da Ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, que falou na sessão de abertura, e de outros decisores políticos relacionados com o crescimento e o nascimento da Rede, como Marçal Grilo, ministro em 1996, e que também usou da palavra.
Depois de uma mesa redonda sobre o presente e o futuro das bibliotecas escolares, incluindo 5 vozes distintas - Carlos Pinheiro, professor coordenador de uma biblioteca escolar em Sintra, Elsa Conde, coordenadora intermunicipal vinda do Sul, Vera Silva, bibliotecária municipal do Seixal, Manuela Barreto Nunes, professora universitária e investigadora, vinda do Norte, e Ana Bela Martins, membro do Gabinete Coordenador da Rede, o almoço permitiu conviver e trocar ideias.
À tarde, António Firmino da Costa (professor do ISCTE especialista em avaliação, que também coordenou estudos sobre Literacia) apresentou as conclusões da avaliação externa em desenvolvimento sobre a RBE. Definindo 2009 como o início de uma nova fase para a Rede, para o papel essencial nas aprendizagens das bibliotecas escolares e dos seus profissionais, destacou 3 factores do sucesso da RBE:
1. a visão de 1996, que mantém actualidade;
2. a liderança, incluindo a acção determinante de Teresa Calçada ao longo dos 13 anos
3. o suporte político-insititucional, indispensável, incluindo investimento financeiro (40 milhões de Euros em 13 anos)
Seguiam-se-lhe José Luís Ramos, professor da Univ, de Évora, sobre o Plano Tecnológico da Educação, e Isabel Alçada, Comissária do PNL Plano Nacional de Leitura, e que coordenou o grupo que produziu em 1996 um Relatório oficial com recomendações para a criação do Programa, e uma comunicação de grande interesse sobre As práticas de leitura dos nativos digitais, por Daniel Cassany, da Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona. Por fim, a música preencheu todos, pelas vozes e instrumentos do Coro da Universidade de Lisboa.

sábado, 27 de junho de 2009

OH HAPPY DAY

WHAT A DAY FOR PORTUGUESE SCHOOL LIBRARIES COMMUNITY!


FIL / Lisbon International Fair Exhibitions facilities (Parque das Nações, Lisbon) received during June 26th the RBE’s Forum, on Portuguese School Libraries Network, RBE, now with over 2000 school libraries, started 13 years ago (1996), and coordinated since the beginning by Maria Teresa Calçada, who opened the Forum with a simulating speech.
A large space, inside one of the emblematic buildings of 1998’s EXPO, beautifully decorated with images, large printed, and images & sounds (3 big screens), from and about Portuguese school libraries, filled with about 1500 participants, including teacher librarians, public librarians, school principals, and other school libraries staff members, showing a strong interest on presentations and a feeling of joy.
Participant’s joy, even in a Portuguese discreet way, was sensible on everyone’s faces, and it is quite understandable, for last week the Ministry created places in all schools for teacher librarians (one to 4 professionals by school, estimated on 1500 all over Portugal – except Madeira e Azores, where there are Regional Governments with specific laws on Schools), recognising the value of SL teams, and creating also 70 places for Network Intermunicipal Coordinators (expert teacher librarians working with schools and other SLN local partnerships, specially with Public Libraries). These new working positions are expected to start now (September 2009), in a 4 years working stability periods for those in such positions, renewable in the future.
It was rather important the presence of Education Minister, Maria Lourdes Rodrigues (speaking in the Opening Session), as well as many political decisors connected with the Network birth and growing: Marçal Grilo, Education Minister back in 1996, presently administrator of Gulbenkian Foundation, was one of the speakers.
After a rich Panel on today’s and tomorrow’s School Libraries, including 5 “SL actors” (Carlos Pinheiro, teacher librarian running a school library, Elsa Conde, SL Network inter-municipal coordinator from the South, Vera Silva, public librarian director of a large Municipal Library near Lisbon, Manuela Barreto Nunes, university teacher and researcher, from the North, and Ana Bela Martins, member of National Network Coordination Cabinet), lunch was a pleasant moment for sharing ideas and laughs.
Afternoon started with Professor António Firmino da Costa (a specialist from ISCTE, expert on evaluation, he directed also some Literacy Surveys) presented conclusions on external evaluation of the SL Network, which he is been conducting since 2006. Defining 2009 as the beginning of a new and challenging stage for SL Network, school libraries and their professionals nuclear role for learning, he argues on 3 main factors for SLN success evidences:
1. 1996’s vision, which keeps actuality in 2009,
2. leadership (including essential role of Teresa Calçada, all through SLN development), and
3. political/institutional support, including government’s financial effort (total: 40 million Euros, during 13 years).
Later, participants followed very attentively presentations on National Educational Technological Program, PTE, Professor José Luís Ramos (researcher from Évora University) from National Reading Plan, PNL Comissária (Isabel Alçada, who also directed the group who produced the 1996’s official report and recommendations on School Libraries Program), and a precious speech on Reading Pratices of Digital Natives, by Professor Daniel Cassany (Pompeu Fabra University/Barcelona, Spain). Finally, music filled our souls, provided by Lisbon University Chorus.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

O que a gente andou para aqui chegar! Long way, keep on walking


Published! Teacher librarians, specific requirements for the job, are now mandatory in Portugal (public schools).http://www.rbe.min-edu.pt/np4/522.html
Many thousands of professionals recognised, and school libraries - professional knowledge recognised too. A long time battle, a great step further for SL and Portuguese SL Network RBE.
Congratulations, Teresa Calçada (RBE's Coordination) - see photo, from IASL Conference 2006 (Lisbon), with Antonio Pina Falcão (BAD Portuguese Librarian's Archivists and Documentalists Association) and Peter Genco (IASL)

Publicada legislação que estabelece os requisitos e os lugares de professor bibliotecário nas escolas públicas portuguesas.
Centenas e centenas de profissionais são reconhecidos, bem como o saber profissional sobre Bibliotecas Escolares.
Um longo combate, um grande passo em frente para as Bibliotecas Escolares e a Rede de Bib. Escolares portuguesa RBE.
Parabéns, Teresa Calçada (Coordenação da RBE) - na foto, durante a Conferência IASL 2006 (Lisboa), com António Pina Falcão (Presidente da BAD) e Peter Genco (Presidente da IASL)

terça-feira, 16 de junho de 2009

Treze anos de RBE. Cassany em Lisboa, dia 26



Já tenho treze anos /Que os fiz por Janeiro

António Feliciano de Castilho

No dia 26 de Junho, o Forum RBE traz a Lisboa Daniel Cassany (Barcelona), e reunirá na FIL centenas e centenas de profissionais envolvidos com as bibliotecas nas escolas.

Podemos aproveitar o mês que falta para comemorar os 13 anos e meio da RBE, nascida em Janeiro de 1996 (uma mulherzinha...) e colocar questões, comentários e sugestões através do Blog da RBE.
Afinal, gerar ideias também é gerir informação

Mais videos RBE aqui (2008)

Literacia da informação com Web 2.0 - Para Profissionais de Bibliotecas Escolares


Yourschoollibrary.org
promove entre Junho e Julho, depois de um 1º curso no início de 2009, com largo sucesso.
Formação para profissionais de bibliotecas escolares multilingue: apresentações em inglês, holandês, português!
(cord. James Henri, Sandra Lee)


Yourschoollibrary.org
promotes in June and July 2009, after a first course some months ago, very succesful!
School libraries on-line professionals training, multi-language: presentations using english, dutch,
and portuguese!

Oradores lusófonos:



Precisamos de participantes para assegurar debates vivos!
We need de participants to ensure lively debates!

Decida-se e inscreva-se aqui: http://www.netvibes.com/yourschoollibrary#Registration.
Make up your mind and register.

Preços especiais / Special arrangements:

Portugal:
40 € individual
90 € for school groups of 3 (this is a group from a single school, public library, or university library, to encourage teachers and principals to join) and an additional 10 € for each additional person
15 € for full time students and retirees

Brazil:
25 € individual
65 € for school groups of 3 (this is a group from a single school, public library, or university library, to encourage teachers and principals to join) and an additional 10 € for each additional person
10 € for full time students and retirees