Pesquisar Search

sábado, 13 de julho de 2019

Isomorfismo pedagógico - MEM


MEM Movimento da escola Moderna from Help Images on Vimeo.

Formação de professores e isomorfismo pedagógico
MEM, a combater pela educação de todos nós há um ror de tempo.
Um video com 3 anos mas sempre oportuno

sábado, 29 de junho de 2019

Manuais escolares gratuitos e cultura básica integral, 2019

a foto de perfil de Mariana Avelãs, A imagem pode conter: Mariana Avelãs, a sorrir, closeup e ar livre

Quem escreve assim é cidadã, não é professora, nem bibliotecária. Tem filhos que está a criar.
E é culta.
Essa é a diferença.
A boa diferença.

"Se calhar, a melhor maneira de garantir a sustentabilidade dos manuais gratuitos é... valorizar as bibliotecas. Todas."

TODAS, OUVIRAM? TODAS!

Mariana Avelãs2 h ·
Ainda os manuais | Nenhuma medida de partilha funciona se for accionada com base na vigilância. Porque assume que a partilha de bens comuns é uma aberração, e, se não for a coerção, algum tipo de individualismo inato nos leva a destruir o que é de todos.  

Sou viciada em bibliotecas. Devolvo vários livros por semana. Ninguém verifica o estado em que os devolvo. Não tenho menos cuidado com eles por serem de nós todos -- antes pelo contrário. Mas existe um registo de que o livro esteve na minha posse, e se ele aparecer num tal estado que não pode estar na estante de uma biblioteca, até é possível detetar um padrão que indique que os livros que requisito tendem a ficar estragados. Na verdade, suponho que é mais económico, a todos os níveis, simplesmente assumir que alguns livros têm de ser substituídos de vez em quando. 

Com os manuais é diferente? Sim, porque ficam na posse de quem os requisita durante 9 meses, e não 3 semanas. O que significa que têm de ser mais resistentes. Mas a maior parte do desgaste acentuado é causado por decisões das próprias escolas: 1. pontas gastas e capas soltas são a consequência de mochilas com quilos de manuais todos os dias. Até porque toda a gente diagnostica o problema que isso é per se, mas ninguém faz nada para resolvê-lo. Se os manuais ficarem em casa para estudo autónomo, ou ficarem na escola para serem usados nas aulas, isso já não acontece. Ganhávamos todos com isso. 2. Manuais rabiscados são a consequência natural de se achar que... podem ser apagados. E de professores que acham normal que se escreva em manuais. E de direções que, sabe-se lá porquê, exigem livros de 1.º ciclo devolvidos como se não tivessem sido usados no 1.º ciclo. Não é preciso verificar as páginas uma a uma no final do ano, basta garantir que não são danificados durante o ano. Ninguém inspeciona as cadeiras no fim de uma aula para ver se o aluno não colou lá pastilhas, pois não? Ninguém tem de provar que não instalou vírus num computador na biblioteca quando o usa, pois não? 

Não faz sentido nenhum esta balbúrdia para pais, professores e escolas em torno dos manuais. Os livros deviam ser da escola, e geridos pela escola. Distribuídos aula a aula ou na primeira aula de cada disciplina, assumindo-se que o uso é civilizado, e devolvidos no final do ano nos mesmos moldes. Cabe à escola avaliar o estado do seu banco de livros e encomendar o que for preciso para mantê-lo eficaz. E ensinar que valorizar o que é de todos é bom para todos. 

Se calhar, a melhor maneira de garantir a sustentabilidade dos manuais gratuitos é... valorizar as bibliotecas. Todas.
2019.06.29. Facebook. A partir de Portugal, União Europeia 

terça-feira, 25 de junho de 2019

4 desafios para as bibliotecas escolares 2019 Galiza, Espanha




O sábado 23 de marzo celebrouse en  Santiago de Compostela  unha  xornada técnica organizada pola Consellería de Educación, Universidade e Formación Profesional (Dirección Xeral de Centros e Recursos Humanos), para pensar a biblioteca escolar do 2020. Esta xornada de traballo reuniu a persoas expertas no ámbito das bibliotecas en xeral, das bibliotecas escolares en particular xunto a representantes das CCAA presentes na Comisión Técnica de Bibliotecas Escolares e do Ministerio, un dos organismos integrantes do Consejo de Cooperación Bibliotecaria a nivel estatal.Organizáronse grupos de traballo e análise entre profesionais e persoas expertas que debateron e profundizaron sobre diferentes aspectos da situación actual das bibliotecas escolares. Extraéronse 4 retos concretos para a biblioteca escolar 2020:Reto 1: Dotar de estabilidade ás bibliotecas escolares.Reto 2: Promover un modelo de biblioteca escolar como espazo educativo á medida do proxecto de centro.Reto 3: Concebir a biblioteca escolar como mediadora das lecturas no centro e situala no centro neurálxico das políticas públicas centradas na lectura, en todos os formatos, para todas as finalidades.Reto 4: Promover unha visión da biblioteca escolar como o contexto privilexiado para o desenvolvemento das competencias mediáticas e informacionais, a alfabetización mediática (AMI) e como requisito para a construción do pensamento crítico.


http://www.edu.xunta.es/biblioteca/blog/?q=node/1186
Inclui o documento integral, descarregável

terça-feira, 18 de junho de 2019

Plano Nacional das artes 2019-2029


 
  
Sensibilidade estética e pensamento crítico
"Uma relação permanente com as artes e o património de diferentes culturas, ensina, também, a respeitar a experiência do outro, a ser mais recetivo à sua cultura, à sua interpretação do mundo, promovendo a partilha, a argumentação, o conhecimento de critérios de juízo de gosto e da sua evolução histórica. Assumirse-á, assim, a complexidade do mundo e das culturas, da unidade e diversidade do humano, recusando o medo da diferença e o facilitismo superficial das respostas rápidas e gastas. "

Ler mais aqui
file:///C:/Users/BANCADA.BE/OneDrive/Documents/20190618+mc+plano+nacional+artes.pdf

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Contar uma boa história pode valer por mil argumentos

Representação dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável OGD
ONU - até 2030
IFLA (2018)
Libraries and the Sustainable Development Goals a storytelling manual 

https://www.ifla.org/files/assets/hq/topics/libraries-development/documents/sdg-storytelling-manual.pdf

Mover Leitores - mais projectos 14/20


Movimento 14-20 a Ler

"O Movimento 14-20 a Ler tem como objetivo criar novos públicos para a leitura entre os jovens dos 14 aos 20 anos.Interessa-nos a convergência de linguagens e espaços de expressão: literatura, ciência, banda desenhada, animação, música, teatro, dança e artes cénicas, fotografia e artes gráficas, cinema e criação audiovisual, arte urbana,…Apoiamos projetos interdisciplinares de leitura e escrita, distribuídos por todo o país e orientados para este objetivo.Convocamos para esta candidatura projetos desenhados em articulação com jovens e que cumpram as condições previstas neste guia."

Projetos selecionados em 2019
Leiria, Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Almada, Lisboa; Tondela, Óbidos, Tábua


Projetos selecionados em 2018
Lisboa, Vila Nova de Famalicão, Vila Franca de Xira, Torres Vedras, Silves, Pombal, Alcochete





E vão 18!
Parabéns aos projectos seleccionados.

A mover leitores por todo o País em propostas de 3 anos de horizonte, sempre implicando parcerias entre escolas, autarquias, associações e outras entidades.