Pesquisar Search

A carregar...

sábado, 6 de agosto de 2016

Dicas úteis antistress: organizem-se! E sejam felizes...





De acordo com a psicoterapeuta holística e hipnóloga Myriam Durante, toda bagunça é resultado de uma procrastinação que, em geral, se deve a alguma insatisfação.
— Se as pessoas não estão felizes, elas ficam empurrando tudo com a barriga — afirma a especialista em comportamento humano.
Para as crianças, organização é fundamental para o aprendizado. Estudar em ambientes desarrumados dificulta a concentração em uma só tarefa, o que atrapalha a consolidação de informações no cérebro.
— Os pequenos pegam o exemplo dos pais. Não adianta dizer a eles para manter o quarto impecável se o resto da casa está bagunçado — diz Myriam Durante.



Desorganização atrapalha funcionamento do cérebro e provoca estresse

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

“O homem está evoluindo para conciliar a emoção e a razão”, diz António Damásio | VEJA.com

 O neurocientista português António Damásio

É nos primeiros anos de vida que podemos inculcar valores e formas de raciocínio através da repetição de exemplos. Eles são o alicerce da construção da nossa moral. Do ponto de vista do cérebro isso é muito curioso porque é quase uma negociação entre suas partes. Há partes muito antigas em termos de evolução, como o tronco cerebral, e muito mais recentes, como o córtex cerebral. No córtex cerebral estão as grandes representações que constroem a mente: visão, audição, tato. Todas essas representações se constroem ali, e da ligação entre elas se dá o raciocínio. Mas o córtex cerebral precisa negociar com regiões do cérebro que estão no tronco cerebral e são as responsáveis pelos impulsos e as reações rápidas. É dessa negociação que surge o conceito de que algo é permitido ou não. Você repete, repete, repete até que as duas partes entrem em consenso. 
É possível recondicionar os sentimentos já na vida adulta? É possível, porém é muito mais difícil e nem sempre é um trabalho bem sucedido. Se você tem uma pessoa que começou a vida como um sociopata, é extraordinariamente difícil tornar essa pessoa um ser normal em relação a comportamento social. Isto porque seria necessário fazer todo o processo que se faz numa criança, mas o paciente já tem autonomia para não aceitá-lo.




“O homem está evoluindo para conciliar a emoção e a razão”, diz António Damásio | VEJA.com

domingo, 31 de julho de 2016

Antes das férias, quase em cima do orçamento de 2017



Serve o presente artigo para lembrar os altos responsáveis políticos – tendo em conta que passadas as férias, a grande tarefa será a elaboração/construção do OE017 – que não é mais aceitável relegar a Educação para 3.º ou 4.º plano. O campeonato político da Escola Pública é a 1.ª Liga, não podendo os nossos superiores atribuir-lhe um orçamento de categoria regional. 
O documento deve assegurar recursos para o aumento da qualidade do Ensino Público, que já é muito elevada, auxiliar as escolas na continuação da promoção do sucesso escolar, contribuir para diminuição do abandono escolar, escolarizar cada vez mais a população, continuar as obras de requalificação e conservação das escolas, dotar os estabelecimentos de ensino de orçamentos dignos e realistas, apostar na afetação de recursos humanos (professores, técnicos especializados, funcionários…), etc… 
Os orçamentos das escolas devem ser encarados de forma a acreditar em quem as lidera, sendo realistas, e deixando uma maior margem de manobra que não seja apenas liquidar as faturas da água, eletricidade, comunicações e fotocópias… 
Filinto Elísio, 2016 




Orçamentem a Educação! - PÚBLICO

domingo, 24 de julho de 2016

A Educação na Era Digital

 

Os nossos antepassados trogloditas levaram milénios
entre a descoberta das primeiras ferramentas, e de
como utilizá-las (em boas práticas”), e a sua plena
interiorização cultural. E, enquanto não fizeram essa
interiorização, o mundo manteve-se primitivo...
Sinto que em matéria de tecnologias na educação
continuamos, largamente, neste estado ao nível,
instrumental, sempre desatualizado, do “como fazer”.
Mas vejamos o que está mudar neste mundo.
Os nossos antepassados trogloditas levaram milénios entre a descoberta das primeiras ferramentas, e de como utilizá-las (em “boas práticas”), e a sua plena
interiorização cultural. E, enquanto não fizeram essa interiorização, o mundo manteve-se primitivo...
Sinto que em matéria de tecnologias na educação continuamos, largamente, neste estado – ao nível,instrumental, sempre desatualizado, do “como fazer”.
Mas vejamos o que está mudar neste mundo. (...)

Notas pessoais usadas para a apresentação plenária que fiz na conferência "A Educação na Era Digital: Análise de Boas Práticas" (Projeto Salas de Aula Europeias no século XXI: Enfrentar os desafios da era digital com inovação e criatividade) / "Education in the Digital Era: a Good Practices Insight" (Project 21st Century European Classrooms: Meeting the challenge of the digital era with innovation and creativity), 21 de Julho de 2016.
Foto Adriana Rocha Bruno
António Dias Figueiredo

A Educação na Era Digital (PDF Download Available)

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Criança, se orientada no caminho certo, evolui

Cinco crianças com deficiência e um pequeno texto sobre cada um deles

 “Todos nós temos amigos com algum tipo de deficiência e convivemos harmônica e dinamicamente. Aprendemos as regras da inclusão aí. Consequentemente, não poderíamos deixar de apresentar amiguinhos da turma que também tivessem algum tipo de deficiência”, afirmou Maurício. Dentre os personagens originais, criados na década de 60, já havia um deficiente auditivo, Humberto, que se comunica com os coleguinhas através de “hum hum hum”, daí seu nome Humberto, ou por linguagem gestual. Em 2004, surgiram mais dois, Dorinha e Luca.

Turma da Mônica possui personagens com deficiências : Sem Barreiras