quarta-feira, 8 de julho de 2020

20 modos de integrar a biblioteca no ensino on-line (2020)

CFAE_Matosinhos_Ed_Ozarfaxinars_Numero 89

imagem daqui


Escrito a pensar no ensino superior, mas que também ajuda a reflectir para outros níveis de ensino


Veinte formas de integrar la biblioteca en la enseñanza online

Natalia Arroyo-Vázquez 
Universidad de Navarra, Servicio de Bibliotecas
Miembro del Grupo ThinkEPI

José-Antonio Gómez-Hernández
Universidad de Murcia, Facultad de Comunicación y Documentación
Miembro del Grupo ThinkEPI


"(...) 2. Integración del personal bibliotecarioLa presencia activa del personal bibliotecario en la enseñanza online supone un compromiso mayor por parte de la biblioteca universitaria en el apoyo a la docencia, puesto que conlleva un importante despliegue de recursos de personal. El término embedded librarian, que en español se traduce como «bibliotecario integrado», más correctamente que como «bibliotecario incrustado» o «embebido», se refiere a aquel que «participa activamente junto con el profesor de las asignaturas en la docencia y que se identifica y se hace accesible en el sistema de gestión de las asignaturas», según los estándares para los servicios bibliotecarios para la enseñanza a distancia (ACRL, 2016). Este perfil profesional también se encuentra en el apoyo a la investigación y en otras tareas, como la adquisición de colecciones.Las acciones que el bibliotecario integrado desempeña en la enseñanza online, según recoge la bibliografía, se pueden dividir en dos grandes áreas: el apoyo a la docencia y la implicación en la misma. Son las siguientes:


8. Apoyar al profesorado en la docencia, especialmente en lo referente a competencias informacionales. Este apoyo se puede concretar en la selección de recursos de aprendizaje y supone una forma indirecta de llegar a los estudiantes y promover el uso de los recursos de la biblioteca (Cervera Farré et al., 2015). También puede consistir en una ayuda técnica para enlazar los recursos de la biblioteca o para integrar formación en alfabetización informacional (Jackson, 2007).9. Crear materiales de formación específicos para las asignaturas, como pueden ser tutoriales, infografías o guías temáticas, que se puedan incrustar en la plataforma de enseñanza en línea (Jackson, 2007).10. Incluir los datos de contacto del personal bibliotecario dedicado a cada asignatura, facilitando así que el alumnado se ponga en contacto con él o ella para la resolución de dudas, incluso con un horario de atención (Hoffman y Ramin, 2010).11. Participar en grupos de discusión específicos de la biblioteca dentro de las asignaturas, de forma que se pueda responder directamente a las cuestiones de los estudiantes y asistirles sobre el uso de los recursos de la biblioteca y competencias informacionales. Hoffman y Ramin (2010) recomiendan estar disponibles durante unas horas previamente concertadas para asegurar la respuesta inmediata. Para ello, Jackson (2007) propone colaborar con el profesor y buscar temas de interés conjuntamente.12. Establecer un rol de bibliotecario en la plataforma de enseñanza online. Esto conlleva un mayor conocimiento de la herramienta y permite colaborar directamente con el profesorado en la formación incluyendo contenidos a un nivel mucho más personalizado. Esta acción supone un paso importante en la presencia del personal bibliotecario en la enseñanza online, que va así más allá de la sesión de formación que se imparte a comienzos de curso (Black, 2008).13. Crear programas de formación online específicos sobre la propia biblioteca y sus recursos, o sobre competencias informacionales, abiertos para todos los estudiantes (Black, 2008; Hoffman y Ramin, 2010). La labor de formación del bibliotecario no es nueva (Green, 2019), pero todo apunta a que este nuevo curso tendrá un mayor componente digital. Esta formación suele estar centrada en el uso de los recursos y servicios de la biblioteca y en competencias informacionales (Moreno-Pulido y Sánchez-Fernández, 2015).14. Participar directamente en las asignaturas, con la creación de contenidos docentes sobre los recursos de la biblioteca y competencias informacionales, pero también impartiendo contenidos acordados con el profesorado, de la misma forma que se participa en algunas asignaturas con sesiones presenciales. Esta iniciativa es una de las más relevantes porque a través de ella la biblioteca consigue que la competencia informacional se vaya integrando dentro del contexto real de los objetivos de aprendizaje de los estudiantes.15. Realizar encuestas o entrevistas, de carácter formal e informal, con el fin de conocer la opinión de los usuarios y usuarias y el grado de satisfacción sobre los servicios online y para descubrir sus necesidades.16. Comunicar y difundir los servicios que las bibliotecas prestan online para el alumnado y los equipos docentes, para darlos a conocer y que puedan así utilizarlos (Behr y Hayward, 2016).17. Definir una carta de servicios para el equipo docente, en la que se especifiquen los servicios concretos de apoyo al profesorado (Cervera Farré et al., 2015) y que esté publicada en un lugar visible.18. Definir el papel del bibliotecario integrado en la enseñanza online e identificar las tareas que debe llevar a cabo, estableciendo prioridades ante la imposibilidad de estar presentes en todas las asignaturas.19. Actuar como enlace con el profesorado y en ocasiones también con el departamento que administra la plataforma de enseñanza en línea de la universidad, aunque esta colaboración es menos frecuente, pues lo habitual es que se dé con departamentos académicos (Jackson, 2007). Para Caridad-Sebastián y Martínez-Cardama (2013) este papel de enlace es precisamente la base del bibliotecario integrado. De hecho, se podría decir que es fundamental, ya que es esencial establecer vías de colaboración para la integración de la biblioteca en la enseñanza online.20. Establecer vías de colaboración con el profesorado y con diferentes departamentos dentro de la universidad. Esta acción resulta fundamental para la implementación de las demás y es uno de los aspectos en los que más se coincide en la bibliografía (Arroyo-Vázquez y Gómez-Hernández, 2020)."






LISTSERV 16.0 - IWETEL Archivos de:

domingo, 28 de junho de 2020

Plano Nacional de Leitura - LER + FÁCIL

 PNL2027 em Ação
O projeto pretende combater as baixas competências e práticas de leitura e escrita dos adultos através de uma solução digital integrada com ferramentas automáticas para português europeu que asseguram a análise, classificação e conversão de obras literárias e de textos científicos e informativos mais complexos e formais para os níveis + Fácil (A1-A2) e + Claro (B1).
Em Portugal, 1/3 dos adultos não sabem ler nem escrever, entendem mal o que leem ou expressam-se com dificuldade, sendo incapazes de resolver um vasto leque de problemas académicos, profissionais ou da vida quotidiana. Os adultos que precisam de aceder ou garantir o emprego são leitores raros e têm baixa escolaridade: apenas 50% dos adultos entre 25 e 64 anos concluíram o ensino básico e 33% dos adultos entre 25 e 34 anos têm o ensino secundário.
Esta ausência ou abandono de práticas e hábitos de leitura e escrita sempre se mostrou difícil de combater devido à falta de livros e textos adequados à idade
e nível de proficiência leitora destes adultos.
Com esta solução tecnológica pretende-se:
- desenvolver as capacidades e o gosto pela aprendizagem e pelo conhecimento humanístico, científico e digital da população adulta;
- aproximar os leitores adultos da literatura;
- melhorar as práticas de comunicação e educação para todos. 

terça-feira, 23 de junho de 2020

Alto MInho a Ler - Rodas pela Leitura e a Inclusão




Ações integradas na iniciativa “Alto Minho a Ler : Uma estratégia Para o Sucesso Escolar”, do projeto “School4All Alto Minho”, promovido pela CIM Alto Minho, no âmbito do PIICIE, cofinanciado pelo Norte 2020/FSE, dinamizada pela Laredo Associação Cultural, em parceria com o Centro de Formação CENFIPE (Ponte de Lima) e com a Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

Creditação - 3h. Apoio Centro de Formação CENFIPE (Ponte de Lima)
Inscrição gratuita, obrigatória:

PROGRAMA
Sessões online

26.06, 6ª feira, 15.30/16.30 - sessão síncrona - zoom ou similar
 Abertura – Centro de Formação e CIM Alto Minho
 Exercícios práticos e reflexão sobre as práticas experienciadas durante as sessões realizadas no Alto Minho a Ler agregadas a atividades de mediação de leitura - Maria José Vitorino (Laredo).

27.06, sábado, 15.30/16.30 - sessão assíncrona - fórum ou outra tarefa no moodle do CENFIPE.

• 29.06, 2ª feira, 15.30/16.30 - sessão síncrona - zoom ou similar
 Exercícios e reflexão sobre as práticas experienciadas durante as sessões realizadas no Alto Minho a Ler, agregadas a atividades de mediação de leitura - Miguel Horta (Laredo) e Alexandra Lobato (Técnica Superior de Educação Especial e Reabilitação);
 Encerramento – Biblioteca Municipal de Ponte de Lima

Destinatários: Comunidade Educativa do Alto Minho
i) Profissionais de Bibliotecas Municipais do Alto Minho
ii) Professores e Diretores de Agrupamentos do Alto Minho;
iii) Técnicos de educação dos municípios;
iv) Outros profissionais e agentes da comunidade educativa
v) Outros interessados (adultos)


Tema: Leitura, Inclusão, Acessibilidade, Mediação, Bibliotecas

Objetivos
Pretende-se:
i) capacitar a comunidade educativa do Alto Minho para a análise das metodologias desenvolvidas nas ações realizadas;
ii) partilhar e propor estratégias a desenvolver a curto e médio prazo, tendo em vista a maior capacitação de agentes locais e, em particular, dos profissionais de bibliotecas, escolas e outras entidades parceiras que trabalham colaborativamente.


Evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/1138653793165016/

Esta é a primeira de 4 RODAS no Alto Minho a Ler, até 9 de Julho.

sábado, 20 de junho de 2020

Mais que Tecnologia, relação professor/aluno na educação



EDUCAÇÃO ESCREVE-SE COM D, DE DÍVIDA. E V, DE TODOS A VOLTAR À ESCOLA.
Pressões para cortar no dinheiro para a educação: resistir-lhes é garantir não apenas o futuro covid-free, mas sobretudo um futuro ignorância-free. A população e a cidadania agradecerão.
"Mais reconhecimento para os professores, mais participação dos alunos nas decisões são algumas das propostas para a educação - UNESCO deixa várias recomendações sobre a escola do futuro

Depois dos desafios colocados à educação, em todo o mundo, por causa da pandemia de covid-19, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO)
propõe que, de maneira a esbater as desigualdades, se disponibilizem recursos educativos e tecnológicos gratuitos para professores e alunos.
O relatório denuncia que a pandemia veio expor “vulnerabilidades e desafios” em todo o mundo. A crise da covid-19 expôs uma “imagem clara das desigualdades existentes”, diz o relatório Nove Ideias para a Acção Pública — Educação, Aprendizagem e Conhecimento num Mundo Pós-covid-19, realizado pela Comissão Internacional sobre os Futuros da Educação.
No mundo existem cerca de 1,5 mil milhões de estudantes. Contudo, nemtodos têm acesso à educação e, em tempos de confinamento e ensino à distância, muitos ficaram para trás. O texto dá como exemplo os alunos da África subsariana: apenas 11% têm computador em casa e 18% tem Internet, quando a média mundial é de 50% para o equipamento e 57% para o acesso à rede. “É particularmente importante que o mundo apoie os países em desenvolvimento com investimento em infra-estruturas educacionais do século XXI; isso exigirá a mobilização, recursos e apoio dos países desenvolvidos, em particular com o cancelamento da dívida, reestruturação e novos financiamentos”, defende Sahle-Work Zewde, presidente da Etiópia, que preside à comissão, no prefácio do relatório.
O abandono escolar poderá ser uma das consequências graves desta pandemia, o que vai levar a uma regressão de “várias décadas”, continua a responsável, sem esquecer o impacto na educação das raparigas. Serão sobretudo elas que poderão não voltar à escola, alerta o relatório que começa por elogiar os professores, a sua resposta e adaptação rápida às circunstâncias do ensino à distância, embora façam parte de um leque de profissionais que são “frequentemente mal pagos”, apesar de terem “grande importância social”.
As escolas fechadas podem levar ao aumento das desigualdades já que este é um espaço que além do ensino oferece outros serviços como alimentação — por vezes, a única refeição “decente” do dia — e bem-estar. “As escolas são espaços de vivência colectiva que não podem ser substituídos por ensino remoto ou à distância”, defendem os especialistas.
Esta crise de saúde que, como consequência, se tornou também uma crise económica veio mostrar a importância do ensino público, como este é “crucial” no combate às desigualdades, defende o texto. No entanto, os especialistas estão preocupados com as possíveis consequências da crise económica. Se, por um lado, haverá famílias que não conseguirão manter os filhos na escola; por outro, o financiamento da educação pode vir também a sofrer. Por isso, é pedido aos governos para “resistir às pressões para restringir os gastos com educação no futuro”. A comissão apela, assim, a que não só os governos, mas também as organizações internacionais, civis e os cidadãos se mobilizem na protecção do ensino público e seu financiamento, alertando ainda para a necessidade de evitar a corrupção ou o desvio de fundos que devem ser aplicados nas escolas.
Embora a educação não possa acontecer fora do âmbito pedagógico e da relação professor/aluno, também não pode ficar refém da tecnologia — como se poderia supor com o recurso ao ensino à distância. Esta é uma “ferramenta formidável”, mas não pode ser uma “panaceia” e deve ser usada com cuidado, de maneira a não comprometer a privacidade. “É uma ilusão pensar que a aprendizagem online é o caminho a seguir para todos”, diz o relatório.
A comissão defende ainda que os alunos sejam ouvidos neste processo e envolvidos nas decisões que lhes dizem respeito. Aliás, este procedimento democrático visa combater o ressurgimento de “políticas autoritárias”. No mesmo sentido vai a recomendação de construir currículos que dêem prioridade “à pessoa como um todo e não apenas [transmitindo- lhe] competências académicas”.
Preocupada com as fake news e a falta de informação, a comissão defende que se dê prioridade à literacia científica, assegurando um currículo com “fortes objectivos humanísticos”, em que se explore a relação entre factos e conhecimento, ajudando os alunos a “compreenderem e a situarem-se num mundo complexo”. 

Leia mais aqui, incluindo a possibilidade de descarregar o relatório (pdf) 
https://www.publico.pt/2020/06/19/impar/entrevista/ensino-distancia-veio-exacerbar-desigualdades-existentes-1921245



Mais reconhecimento para os professores, mais participação dos alunos nas decisões são algumas das propostas para a educação depois dos desafios colocados pela covid-19.
PUBLICO.PT
Mais reconhecimento para os professores, mais participação dos alunos nas decisões são algumas das propostas para a educação depois dos desafios colocados pela covid-19.

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Kialo Edu - ferramenta web para ensino do pensamento crítico e do debate racional

Discussion tree showing a thesis, supporting pro argument, and a con attacking the pro argument


Team page showing the team’s active discussions and number of members


Kialo Edu - The tool to teach critical thinking and rational debate - https://www.kialo-edu.com/

Uma ferramenta deveras interessante, ao abrigo de trolls. Há uma versão para o público em geral e uma versão para educadores.
Para desenvolver discurso argumentativo, é muito fácil de aplicar.

Mais informação sobre o produto:


quinta-feira, 18 de junho de 2020

Bibliotecas prisionais Livro Leitura


Conferência disponível no Canal Youtube da FEBAB https://youtu.be/q331VGwTQzA


Alguma bibliografia mencionada na conversa

Catia Lindemann (@catialindemann) | Twitter

Orientações para serviços de biblioteca em estabelecimentos prisionais (2005, trad. port. 2015)
https://www.ifla.org/files/assets/hq/publications/professional-report/92-pt.pdf

Prison Library Primer: A Program for the Twenty-First Century
The Prison library primer (2009)
https://www.goodreads.com/book/show/7009686-prison-library-primer



Books beyond bars (2019)
https://uil.unesco.org/adult-education/books-beyond-bars-transformative-potential-prison-libraries



Leituras em cadeia - encontro com  Miguel Horta (2014)
https://www.youtube.com/watch?v=1QR-Ghfcu-4

Livros de Antonio Gedeao Viseu • OLX Portugal


Poemas escolhidos / António Gedeão
http://purl.pt/12157/1/poesia/poemas-escolhidos.html

Amor fóssil, p. 90. Reproduzido aqui https://wp.me/p2Ow4-yg

Amazon.com: O Meu Pé de Laranja Lima - Edição Histórica ...

O meu pé de laranja-lima / Jos+e Mauro de Vasconcelos

20 modos de integrar a biblioteca no ensino on-line (2020)

imagem daqui Escrito a pensar no ensino superior, mas que também ajuda a reflectir para outros níveis de ensino Veinte formas de integrar la...