Pesquisar Search

A carregar...

terça-feira, 3 de maio de 2016

Promessas e problemas da pesquisa digital para crianças e jovens

Ana Lúcia Terra
anaterra@eseig.ipp.pt
Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão
Instituto Politécnico do Porto
CE...



1. O impacto do contexto digital no comportamento informacional de crianças e jovens 

2. O cérebro do malabarista 

3. A cultura da pesquisa da Google 

4. A literacia da informação: um ciclo contínuo



Promessas e problemas da pesquisa digital para crianças e jovens

domingo, 1 de maio de 2016

Livros, Educação, Ciência : o passado ajuda-nos a entender o futuro



"Em reuniões (em Inglaterra) debatiam as leituras, os resultados das experiências e propunham novos procedimentos experimentais. "Estes protocolos de leitura não eram naturais, tinham de ser aprendidos e deram origem a uma investigação científica contínua", diz o britânico. Do pouco que se conhece, o cenário seria muito diferente por cá (Portugal). "Não vemos verdadeiras discussões científicas", diz Henrique Leitão. "Rapidamente se tornavam em picardias pessoais e o conteúdo científico perdia-se."
Para o historiador português, este problema passa pela "fragilidade das instituições científicas", em que uma educação de má qualidade tem um efeito "devastador" na ciência e na modernidade: "Há um conjunto complexo de questões que tem de ser estudado aos poucos. Vamos tentar perceber este problema secular. Não pode ser uma razão conjectural, vemo-lo hoje, asperformances das universidades portuguesas são uma vergonha, excepto honrosas excepções."


Os livros científicos dos séculos XVI e XVII, ou como a Inquisição "limpou" as bibliotecas - PÚBLICO

quarta-feira, 27 de abril de 2016

When Kids Have Structure for Thinking, Better Learning Emerges


PZ Thinking Routines from Sue Borchardt on Vimeo.
To help make these ideas more concrete, Ritchhart and his colleagues have been working to hone in on a short list of “thinking moves” related to understanding. To test whether these moves were really crucial, researchers asked themselves: could a student say she really understood something if she hadn’t engaged in these activities? They believe the important “thinking moves” that lead to understanding are:
  • Naming: being able to identify the parts and pieces of a thing 
  • Inquiry: questioning should drive the process throughout 
  • Looking at different perspectives and viewpoints 
  • Reasoning with evidence 
  • Making connections to prior knowledge, across subject areas, even into personal lives 
  • Uncovering complexity 
  • Capture the heart and make firm conclusions 
  • Building explanations, interpretations and theories. 
These thinking moves all point to the conclusion that learning doesn’t happen through the mere delivery of information. “Learning only occurs when the learner does something with that information,” Ritchhart said. “So as teachers we need to think not only about how we will deliver that content, but also what we will have students do with that content.”