Pesquisar Search

sábado, 11 de junho de 2016

Criatividade e burocracia são inconciliáveis

"Tom Peters um dos "gurus" destes novos tempos que estamos vivendo, mostra-nos no gráfico abaixo que depois da sociedade ou era da informação em que estamos vivendo (também conhecida como pós-industrial), ingressamos na sociedade das idéias e da criatividade. Aliás, em 1998, quando Alvin Tofler esteve no Brasil ele já se referia a esse nome: sociedade da criatividade.

Esta nova sociedade, onde o poder deslocou-se das mãos dos proprietários das empresas e da produção em grande escala, de bens materiais para a produção de bens imateriais, isto é, símbolos, valores, serviços, informações, design, estética, passa a exigir cada vez mais, nos poucos postos de trabalho que ela irá criar, algo chamado inovação que depende da criatividade.
Segundo o conhecido sociólogo Domenico de Masi, o tempo livre cresce em todo o mundo de forma extraordinária. Segundo ele, um jovem de 20 anos que cursa hoje uma faculdade e tem diante de si pelo menos 60 anos de vida, isto corresponde a 550 mil horas. Se esse jovem trabalhar dos 20 aos 60 anos (40 anos), portanto duas mil horas por ano, isto significa que ele vai trabalhar 80 mil horas durante 40 anos. Assim um jovem de 20 anos tem diante de si uma perspectiva de 530 mil horas de vida e apenas 80 mil de trabalho.

Se ele gastar 220 mil horas com aquilo que os ingleses chamam de "cuidados com o corpo" (dormir, comer, tomar banho), ele terá ainda 203 mil horas de tempo livre.
Infelizmente o que estamos vendo na escola de hoje é que ela se preocupa apenas com as 80 mil horas de trabalho, educando apenas para 1/7 de vida e nada para esse enorme tempo livre.
O que sentimos é que nenhuma escola diante desse quadro irreversível nem se preocupa em preparar os alunos para escolher um bom filme, um bom livro, viver bem com os amigos e as demais pessoas, gerir uma família, ser um bom cidadão, isto porque, segundo o modelo americano ao qual estamos presos ainda, só será feliz aquele que trabalhar bem."


A Educação para o Ócio e a Criatividade - (notas de conferência para professores de ensino médio)

Sem comentários: